30.6.12

Odivelas: Situação financeira.

Esta semana, no decorrer da Assembleia Municipal chamei a atenção para estes dois aspectos. Espero que esta quebra enorme com as receitas referentes à Derrama não se venha a confirmar, caso contrário poderemos estar perante o anúncio de um tsunami.

29.6.12

Palavras para quê?

SMAS fazem gastar mais de 157 mil euros em pareceres e relatórios

Já se gastaram 130.450 euros, acrescidos de IVA, em pareceres jurídicos e relatórios técnicos, para um eventual termo da relação contratual com os Serviços Municipalizados de Águas e Saneamento de Loures, nos sectores do abastecimento de água e saneamento e, por isso, a Sra. Presidente não deve autorizar mais gastos com estudos sobre estas temáticas que se revelam demasiado onerosos para o município”, disse Paulo Aido a propósito da resposta a um conjunto de perguntas formuladas na reunião do Executivo camarário do passado dia 30 de Maio.
O autarca lembrou que “em 2010, a sociedade de advogados ‘Fernando Ferreira, Paula Susana Teixeira & Associados’, produziu um parecer intitulado ‘O Município de Odivelas, o Município de Loures e a partilha dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento’, de 35 páginas, pelo preço de 56.250 euros, e que, um ano depois, foi a vez da Proengel realizar um ‘Relatório Técnico de Caracterização e de Diagnóstico de Infraestruturas de Água e saneamento e de Estudos da Viabilidade Técnico-Económica’, pelo valor de 74.200 euros, em ambos os casos valores acrescidos de IVA”.
Por isso – precisou – é urgente encontrar uma solução, em tempo útil, para que o concelho de Odivelas tenha abastecimento de água de qualidade e que se evite a desactualização dos pareceres jurídicos e relatórios técnicos já produzidos”.
Paulo Aido recomendou ainda que “se defenda as boas práticas, não voltando a autorizar contratações ilegítimas, a empresas que têm entre os seus accionistas, funcionários e dirigentes da própria Câmara Municipal de Odivelas e que o esforço financeiro da autarquia se faça em prol da dinâmica social e económica do concelho, vitais para que se ultrapasse o momento de crise que vivemos, minorando as dificuldades dos cidadãos”.

Derradeiro apelo ao debate sobre a reorganização das freguesias


Odivelas não deve ficar refém de uma lei generalista e técnica

Paulo Aido voltou a apelar a que se promova um derradeiro debate sobre a reforma da Administração Local, alertando para que já passou um mês sobre a publicação da Lei 22 de 2012 que determina 90 dias para que as Assembleias Municipais ou os Executivos camarários emitam pronuncia sobre o futuro do território das freguesias.
Se não fizermos nada, ficaremos entrincheirados na decisão de uma Lei com o critério do poder central que terá, naturalmente uma visão mais generalista e técnica, que propriamente concordante com a nossa realidade territorial”, disse o autarca independente que prosseguiu:Não podemos aceitar de braços cruzados a inevitabilidade da redução de três freguesias no Concelho de Odivelas quando até poderemos salvar uma delas”.
Paulo Aido recordou uma das suas ideias de sempre: “É preciso reformar a Administração local e, no Concelho de Odivelas impunha-se tempo para redesenhar novas fronteiras. Já não há espaço para que isso aconteça, tal como fez António Costa, o presidente da Câmara de Lisboa”.
O tema levou á apresentação de uma moção que foi chumbada pelos vereadores socialistas e da CDU, colhendo a apreciação positiva apenas dos sociais-democratas.

Passamos a transcrever o documento:
«Passou um ano sobre a Moção - aprovada por todos e portanto onde todos terão de se rever - para que todas as forças políticas e independentes representados nos Órgãos Autárquicos do Concelho de Odivelas se empenhassem no debate da Reforma da Administração Local, tanto mais que os eleitos na Assembleia da República, do Partido Socialista, então no governo, e do Partido Social-Democrata, invocavam esta temática com particular importância no futuro do País.
Recordo que os dois maiores partidos portugueses anunciavam a pretensão em preparar uma reforma administrativa territorial que modernizasse o funcionamento deste sector público de proximidade aos cidadãos.
Aconteceram as Eleições Legislativas antecipadas, a 5 de Junho de 2011, de que resultou a constituição do XIX Governo Constitucional. Três meses mais tarde, era publicado o Documento Verde da Reforma da Administração Local que mostra um conjunto de regras e propostas de imperativos legais que apontam para uma considerável diminuição do número de freguesias administrativas. Para Odivelas, indica-se uma redução de 7 para 4 freguesias.
Será difícil encontrar unanimidade entre todos. Mas será, certamente, possível encontrar um compromisso que permita analisar mais racionalmente a legislação que se evoca neste domínio que, independentemente das leituras que se façam, abre claramente uma oportunidade a que o concelho de Odivelas possa ver diminuídas de 7 para 5 freguesias, em vez das 4 que se insiste comunicar.
Por isto, porque está em causa o futuro do nosso concelho, da política de proximidade num território cada vez mais envelhecido e, consequentemente carenciado de serviços de apoio fundamentais, e também porque a Lei n.º 22/2012, no seu artigo 12º, determina que ‘a pronúncia da Assembleia Municipal sobre a reorganização administrativa do território das freguesias deve ser entregue à Assembleia da República no prazo máximo de 90 dias a contar da entrada em vigor da presente Lei’ - publicada há um mês, a 30 de Maio -, que se unam esforços para a promoção urgente de um debate alargado, objectivo e conclusivo sobre a reorganização e reforma da Administração Local.
Importa ainda considerar que a Lei nº 22/2012, cria a Unidade Técnica para a Reorganização Administrativa do Território que:
  I. Deverá apresentar propostas concretas de reorganização administrativa do território das freguesias, em caso de ausência de pronúncia das Assembleias Municipais (alínea b), do nº 1 do Artigo 14º);
  II. Elaborar parecer sobre a conformidade ou desconformidade das pronúncias das Assembleias Municipais (…) e apresentá-lo à Assembleia da República (alínea c), do nº 1 do Artigo 14º);
  III. Propor às Assembleias Municipais, no caso de desconformidade da respectiva pronúncia, projectos de reorganização administrativa do território das freguesias (alínea d), do nº 1 do Artigo 14º).
É de particular interesse que todos possamos contribuir e influenciar uma decisão crucial para o futuro do concelho de Odivelas. É também urgente que o façamos porque há prazos e são curtos.
Não devemos aceitar deixá-la ao critério do poder central que terá, naturalmente, uma visão mais generalista e qui çá técnica, que propriamente concordante com a nossa realidade territorial, onde porventura se impunha tempo para redesenhar novas fronteiras.»

Invocar a memória de Álvaro de Castro


Paulo Aido recordou o empresário e político Álvaro de Castro, propondo o seu nome para uma artéria, largo ou praceta do Concelho, de preferência num local com especial dignidade da cidade de Odivelas.
O autarca lembrou que “Álvaro de Castro se distinguiu na defesa das causas públicas enquanto militante e dirigente do PPD/PSD, Partido Social-Democrata, foi um cidadão, empresário e político convicto das suas ideias que tocou, de forma especial, a todos quantos o conheceram. Foi candidato, pela Aliança Democrática, à Presidência da Câmara Municipal de Loures, onde foi Vereador, e também foi líder da candidatura à Assembleia de Freguesia de Odivelas”.
Para Paulo Aido, “Álvaro de Castro tinha uma característica que perdurará para a sua memória: a extrema lealdade com que lidava com os companheiros de partido e os adversários políticos, dando um extraordinário exemplo da prática democrática. Viveu sempre preocupado com o desenvolvimento de Odivelas e a melhoria da qualidade de vida da sua população, foi empresário de reconhecido mérito no sector automóvel, mas também na área editorial, onde foi o mentor principal do semanário “Sexta à tarde” que se publicou nos Anos 80, em Odivelas, e chegou a ser distinguido como o melhor semanário da imprensa regional publicado em Portugal”.

Reforma Autárquica.

Hoje na Assembleia Municipal voltámos a discutir a reforma autártica e de facto entendo que este é um assunto que merece ser aprofundada. Em Odivelas, tal como já sugeri, deveria ser feito um estudo sério para apurar qual o mapa que faria mais sentido para o concelho, mas infelizmente, quanto mais oiço falar deste assunto nos circulos políticos e as "bocas" que são ditas, mais me convenço que o que está em causa são os números de lugares e o estatuto que isso confere a quem os exerce.

28.6.12

Estou triste!

Estou triste, não porque falhei no meu prognóstico, mas pelo que isso implica. Na minha opinião a equipa, jogadores e treinadores, não mereciam.

Não vou aqui dizer o que na minha opinião falhou e tentar apurar responsabilidades, mas não posso deixar de destacar o que disse Paulo Bento no final do jogo: todos ficaram a saber que temos uma grande equipa, que podemos acreditar e em Setembro vamos começar a disputar o Mundial com uma confiança redobrada. Isto demonstra ambição, ousadia e determinação.

27.6.12

Odivelas: Maria Máxima Vaz dá o nome a uma rua.

Victor Machado, Maria Máxima Vaz e Pedro Martins.

Já havia uma escola, a partir de hoje também há uma rua como o nome de Doutora Maria Máxima Vaz, nossa colega "blogueira", que tem dedicado grande parte da sua vida ao ensino e à divulgação da História de Odivelas.

Uma homenagem merecida e que nos deixa a nós, aqui no Um Rumo, muito satisfeitos e felizes.

FORÇA PORTUGAL, VAMOS LÁ!!!

26.6.12

Odivelas Viva: O câncro do Concelho (5)

Maldito Acordo!

Em tempo útil, logo a seguir às Autárquicas de 2009, assim que foi conhecido que PS e PSD tinham feito um acordo, em Assembleia Municipal, chamei a atenção para o que aí vinha (veja aqui).

Nessa altura a Dr.ª Susana Amadora tinha acabado de receber do PSD, fruto de uma negociação de lugares e “taxos”, aquilo que os eleitores não lhe tinham oferecido nas urnas, um cheque em branco.

Lembro-me na altura de ouvir que tinha sido um acordo barato, ao que de imediato contrapus - “fácil e nada incómodo. Barato, vamos ver!

Já passaram quase 3 anos e infelizmente o tempo tem vindo a dar-me razão. Depois de uma série de disparates, de obras desnecessárias e mal executadas e dos custos inqualificáveis com as famosas avenças, agora foi a vez, com o Odivelas Viva, de PS e PSD hipotecarem e comprometerem seriamente o futuro do concelho de Odivelas.

Euro 2012: O meu prognóstico para esta fase final.


Se há coisa que gosto é de futebol e se há festa que adoro são os Euros. . O Euro é emoção, é alegria, é tristeza, confraternização, é comentar, é relembrar jogadas e golos, e, como não aposto, é também prognósticos. Por essa razão, embora com muita pena minha desta vez o esteja a acompanhar à distância, não posso deixar de ir vibrando com ele aqui neste retângulo (Portugal) e também na net com que acompanha este blogue.

Apesar dos vários imponderáveis que têm o futebol, basta ver que por vezes, sem se compreender como, há 2 ou 3 golos em cinco minutos, é assim que antevejo a fase final deste Euro:

"Vi dois jogos de Espanha, um contra França (deve ter sido o pior jogo do Euro) e outro contra a Croácia, no qual, não fosse ter havido uma forte ajuda do árbitro (perdoou 2 penaltis), já Nuestros Hermanos teriam desembarcado em Barajas. Para ser sincero não vi os nossos vizinhos, em nenhum dos jogos, jogar “grande coisa” e mais, vejo-os tristes, sem alma e sem garra.

Por outro lado vejo a Selecção Portuguesa, por quem poucos davam alguma coisa e pese o facto de terem entrado um pouco envergonhados contra a Alemanha, fazer grandes jogos e sempre numa trajectória de ascendente. Para além dos bons jogos e de termos Ronaldo em grande forma (determinante), nota-se que a equipa respira frescura física e alegria.

Entendo que Portugal, caso não entre “envergonhado” contra a Espanha, tem uma grande oportunidade para chegar à final e para vencer o Euro. Isto porque do outro lado vamos encontrar uma Alemanha, ou uma Itália, debilitada fisicamente. O jogo entre ambos vai ser duríssimo sobre o ponto de vista físico (até pode ser resolvido através de pontapés da marca da grande penalidade, o que para nó seria óptimo) e os jogadores que vencerem esse jogo terão menos um dia de descanso, o que nesta fase é importante.

Par terminar, embora eu gostasse mais que a Itália ganhasse essa meia-final, a grande verdade é que prefiro que Portugal jogue a final com a Alemanha.

A sempre matreira e muito experiente Itália, a par do receio com que Portugal possa entrar no jogo com a Espanha (custa-me a acreditar), são as únicas ameaças que vejo à concretização deste tão ambicionado título."

FORÇA PORTUGAL!!!

25.6.12

É fácil obter dados dos nossos cartões de débito


Esta manhã, aconteceu num posto de abastecimento de combustíveis da grande Lisboa. Trata-se de mais um acto de arte e engenho para caçarem o código dos nossos cartões de débito. É simples e funciona quase sempre, a menos que nós próprios nos enganemos a digitar os quatro dígitos. Foi o que sucedeu precisamente e o funcionário acabou na esquadra da PSP.
Ora vejam como tudo se acontece:
I. O empregado faz uma 'gentileza' e segura a máquina do multibanco para digitarmos a senha, tapando o visor com a ponta dos dedos;
II. Na verdade, ele não colocou o valor da compra, e os dígitos da senha aparecem no visor ficando expostos como se fossem o próprio valor da compra, e não com os quatro asteriscos (****);
III. O funcionário anota a senha e suplica que o aparelho não funcionou;
IV. Faz novamente o procedimento, mas desta vez correctamente e nós pagamos a despesa;
V. O funcionário tem a senha anotada e o número do cartão que fica registado na bobina.
Depois, acabaram na esquadra da PSP e ouvi-se um reparo: em dois dias, um cartão copiado com qualquer nome está na mão da quadrilha e os débitos caem direitinhos nas nossas contas bancárias.
O empregado da gasolineira acabou por confessar que ganha 600 euros por semana para compilar uma lista de cartões e senhas e que nem sequer conhece os indivíduos que lhe contrataram o serviço.
Ainda segundo os agentes da PSP, este método é aparentemente simples e está a ser praticado também em bares, discotecas e lojas de conveniência, locais onde estas operações são comuns e os clientes se encontram habitualmente mais descontraídos.
José Maria Pignatelli

Odivelas Viva: Um câncro no Concelho (4).

Ao assumir novas responsabilidades para a Câmara Municipal, no montante de sessenta e três milhões de euros, para a construção de um pavilhão e de uma escola, a Dr.ª Susana Amador, o P.S. e o P.S.D., hipotecaram não só a Câmara para os próximos 24 anos, como também a possibilidade de utilizar parte dessa verba para outros sectores altamente carenciados.

Todo o investimento na área da reabilitação económica do concelho, da segurança, do urbanismo, da saúde, da acção social, da mobilidade, etc., etc., será agora muito mais difícil de poderem ser executados.

FAZER & VENCER: O BALANÇO.



VEJA AQUI!


Portugal - Espanha: È para vencer.

Antes deste Euro poucos esperavam que Portugal chegasse onde chegou, a verdade é que aos poucos e poucos, jogo após jogo, os nossos jogadores e equipa técnica têm conseguido ultrapassar os objectivos e já estão nas meias-finais.

Quarta-Feira vamos defrontar os nossos vizinhos espanhóis, há quem fale em desforra do Mundial, penso que não, não é nada disso, ao longo dos anos já ganhámos e perdemos muitas vezes, este é apenas uma meia-final e um jogo que queremos vencer para podermos ser Campeões Europeus.

Espanha não é uma selecção qualquer, é Campeã da Europa e do Mundo, mas entendo que Portugal tem fortes argumentos, bons jogadores, uma equipa unida, ambição e Cristiano Ronaldo. Para além disso parece-me que os jogadores estão fisicamente muito bems e por isso estou profundamente convencido que vamos conseguir ganhar e chegar à final.

FORÇA PORTUGAL!!!

24.6.12

Selecção vista no Japão

Não é que para mim seja uma novidade, mas é interessante ver a opinião de quem está bem longe. Rui Faro Saraiva, que actualmente vive no Japão e por vezes coloca uns posts no ABC do PPM, diz o seguinte sobre a importância dos bons resultados da selecção em outras áreas. 

Odivelas Viva: Um cancro no Concelho (3).

Ao assumirem (Susana Amador, o P.S. e o P.S.D) uma responsabilidade para a CâmaraMunicipal no montante de sessenta e três milhões de euros, quando há fornecedores que têm facturas por receber há mais de um ano e que por via disso têm dificuldade em assumir os seus compromissos, tiveram o acto que no mínimo podemos classificar como imoral.

Odivelas Viva: Um cancro no concelho (2).

O montante que a Câmara se obrigou a pagar durante os próximos 24 anos com onegócio para a construção de um mega pavilhão e de uma escola, cerca de sessenta e três milhões de euros, é superior ao montante total da divida actual, cerca de cinquenta e cinco milhões de euros.
Com este negócio, da responsabilidade de Susana Amador, do PS e do PSD, a Câmara Municipal de Odivelas tem agora obrigações  na ordem dos cento e quinze milhões de euros, o equivalente a dois anos de exercício.

23.6.12

Odivelas-Viva: Um cancro no Concelho (1).

A atitude de Susana Amador, do PS e do PSD ao realizarem e aprovarem este negócio, no qual aprovaram pagar durante os próximos 24 anos um conjunto de rendas que correspondem aproximadamente a sessenta e três milhões de euros, equivale a afirmar que provocaram qualquer coisa como um cancro ao concelho de Odivelas.

Vamos ver se tem cura!

Jardim da Música? Ou Estaleiro?

Várias têm sido as vozes que se têm levantado já há muito tempo, sobre a verba colossal que a Câmara Municipal de Odivelas, tem gasto neste jardim.
Ele é  a deficiente conceção,  a má qualidade dos materiais, já para não referir as grandes anomalias de construção...
Prova disso, são as constantes degradações  e consequentes obras que tem sido alvo desde da sua inauguração!

Miguel Xara Brasil na Assembleia Municipal e Paulo Aido nas reuniões de Câmara são as duas  pessoas que mais criticas e que mais questões têm levantado a este respeito.


Segundo notícia do Nova Odivelas ( LEIA AQUI ) Paulo Aido mais uma vez voltou a levar este assunto a reunião de Câmara, sobre as obras consecutivas que tem sido alvo este dito Jardim da Música que além de "afónico" está quase sempre "coxo" !

22.6.12

Odivelas Merece.

Esta semana, no Nova Odivelas, está publicado mais um texto meu na Coluna de Opinão "Pode Haver Luz".


ODIVELAS MERECE.

Como foi anunciado na semana passada voltei a recandidatar-me a Presidente da Comissão Política do CDS de Odivelas, e porque só há uma lista, vou ser de novo, por mais dois anos, o principal responsável do Partido aqui no Concelho.

Não foi uma decisão fácil, ponderei muito, não, como se costuma dizer, por cálculo ou questões políticas, mas por razões pessoais.

Posso enganar e engano-me certamente, o que me pode fazer cometer um erro ou outro, mas não engano. Por isso mesmo, para que compreendam a dificuldade da minha decisão, começo por afirmar que não estou na política porque gosto ou por carreirismo, estou na política porque a determinada altura da vida entendi que não podia continuar a assistir impávido e sereno ao delapidar da nossa Terra e do nosso País. Entreguei-me a esta causa, com um espírito missionário e da forma como sempre o faço cada vez que pela frente tenho um desafio - com tudo o que posso e sei.

Embora se diga com frequência - “os políticos nada fazem e só se enchem”- apenas posso afirmar, que para além dos custos financeiros que tem tido para mim esta actividade, os “custos” na vida familiar e profissional têm sido elevadíssimos. Para além disso, o esforço para conciliar tudo isto é gigantesco.

Se tudo isto estava efectivamente a pesar “num dos pratos da balança”, a verdade, é que no outro estavam outros argumentos de peso, entre eles: o estado em que se encontra todo o concelho de Odivelas; a forma desastrosa como o Município de Odivelas é gerido pelo P.S. e P.S.D.; o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelo CDS; a expectativa que têm muitos Odivelenses na actividade que tenho vindo a desenvolver e no sentido de que eu possa colaborar para encontrar uma alternativa que sirva os verdadeiros interesses de Odivelas e dos Odivelenses.

Estes últimos argumentos, aliados ao facto de acreditar que posso, em conjunto com muitos Odivelenses, encontrar uma alternativa capaz de devolver a esperança às gentes desta Terra, pesaram mais e por isso assumi a responsabilidade de continuar.

Assim, a partir deste momento, por ODIVELAS, com todos e cada vez com mais pessoas, vou trabalhar ainda com mais afinco e determinação.

Em Odivelas, mais que Poder Haver Luz, tem que Haver Luz.

20.6.12

No Euro, vale tudo

Bem parecia? Eu diria que mal parece: que o futebol é um grande negócio todos nós sabemos, mas que alimenta acontecimentos estranhos é mais complexo e carece de análise mais profunda. Ontem, à noite, que o digam os ucranianos: estranho que ninguém tivesse reparado que a bola foi retirada de dentro da baliza da Inglaterra. Nem é preciso ver em imagens mais lentas porque à velocidade normal todos repararam em tal flagrante.
Então, se valesse o resultado ficava numa igualdade a 1 golo. E não me parece que os ingleses tivessem força anímica para dar a volta, tanto mais que a partir daí foi um quase festival de golos falhados do lado dos ucranianos. E ainda tempo para um corte com a mão dentro da área britânica a exigir a marcação de uma penalidade.
Enfim, coisas da bola que motivam apreensão sobre a justiça dos resultados. O dinheiro manda muito mais e até aqui parece que temos a ‘troika’ alemã que está a ser ‘levada ao colo’ até à ...

Euro 2012: França - Espanha nos quartos

Ditou a sorte que França e Espanha se encontrem nos quartos-de-final. Se é verdade que podemos falar de uma final antecipada e que temos em perspectiva um bom jogo, eu não gostei nada. Desde já informo que "puxar" pela vizinha Espanha, não gostava nada de ver a nossa Selecção, caso vença a Croácia como todos desejamos, jogar contra a França.

Mas pergunto agora ao Sr. Paltini se vai continuar a querer a uma final Alemanha - Espanha, ou se já está a alterar o seu desejo, até ao dia do jogo tem o tempo suficiente para pensar nisso.

19.6.12

Euro 2012 - Bem me parecia!

Em Dezembro do ano passado, aquando do sorteio para a fase de grupos deste Euro e depois de ouvir os habituais profetas da desgraça escrevi isto.

Como era e como ficou!

Há uns tempos, quase um ano, foi surpreendido com alguém a descarregar um hicópetro à porta do meu escritório, como escrevi na brincadeira em "Ilusão". A verdade é que nunca mais o tinha voltado a ver e hoje fui dar com ele em Versailles.

Ainda bem que a entrega era para a minha vizinha Joana Vasconcelos, valorizou-o.
Há um ano em Lisboa.


Hoje em Versailles

 

Joana Vasconcelos coloca o garrafão em Versailles!

O Garrafão de Joana Vascocelos no "Pavillon de Vin"


Os sapatos de Joana Vasconcellos na "Galerie des Glaces"

Coincidências do Euro?



No jogo Dinamarca - Alemanha fiquei com a sensação que foi perdoado uma grande penalidade contra a Alemanha. Ontem, no Croácia - Espanha, fiquei com a mesma ideia em duas jogadas, ou seja, que foram perdoadas à Espanha duas faltas dentro da área. Em qualquer dos casos, até porque como costumo dizer - já papei muitos jogos - pareceu-me que faltou coragem aos árbitros para as assinalar, não porque tivessem dúvidas, mas porque eram contra dois colossos do futebol europeuAlemanha e Espanha.

O que não esperava é que Platini, o Presidente da UEFA, viesse a público assumir que projecta uma final Alemanha - Espanha.

O pior, é que no jogo que opôs Portugal à Holanda, pese o facto de, face à grande exibição dos nossos jogadores não se ter sentido muito e sem que a mesma tivesse tido grande influência, também não gostei muito da arbitragem. Segundo consta, Platini também disse ter ficado desiludido com a Holanda.

Portugal que se cuide!!!

Procura-se a próxima Martini Girl.

Há muitos, muitos anos que vejo na TV anúncios da Martini (como este) e sempre apreciei o gosto da marca na escolha das personagens femininas, agora, há quem esteja a procurar a nova MARTINI GIRL.

Spot Matini Bianco - 1984

Ronaldo - Curta Metragem

18.6.12

Cascais despede-se das Harley Davidson

Esta manhã, milhares de proprietários de Harley Davidson disseram adeus à vila de Cascais. Quase todos regressam aos seus países por estrada, aproveitando os próximos dias para fazerem férias. Muitos deles são reformados dos países do centro e norte da Europa: têm mais de 60 anos. Também há quem vá até França para enviar a sua Harley para o continente americano, de barco ou de avião. As receitas deste encontro internacional para a economia de Cascais devem representar mais de 6 milhões de euros.
Na fotografia, a versão VRSC: Trata-se de uma moto urbana - alcunhada por "Dragster" - com um motor de 1250 cm3, mais rotativo, que foi uma iniciativa da Harley Davidson, no sentido de competir com o modelo V-Max, da japonesa Yamaha, que ganhou imensos adeptos nas maiores cidades dos Estados Unidos, particularmente pelo atributo de possuírem enorme capacidade de arranque.
José Maria Pignatelli

Rumo à Final - Força Portugal !!!

Sempre acredito em Portugal e no sucesso da Selecção, sobretudo quando joga no continente europeu. Desta vez, embora a equipa não seja tão forte como outras que já tivemos e não joguemos em casa como aconteceu em 2004, continuo a acreditar.

Aos poucos esse "acreditar"  tem vindo a crescer, até porque tenho visto acontecerem quatro coisas essenciais: um grande espírito de equipa, solidariedade entre o jogadores, uma enorme capacidade de sofrimento e Cristiano Ronaldo a aparecer.
Caso não sejamos atraiçoados com cartões e/ou lesões em jogadores fulcrais (Fábio, Pepe e Cristiano), poderemos chegar à final.

Nota: Se assim for, gostava de encontrar a Grécia nesse jogo.

Navegando em mar de Tu-Barão

Há pouco fui navegar aos mares do meu amigo Barão, coisa que faço com assiduidade e com muito prazer.

As reacções ao que por lá vejo são distintas. Ainda agora, ao ver os seus últimos posts confirmei isso mesmo:

- Começo para lhe sugeria para não solicitar mais tempo de antena para o Rui Santos, pois se já não o consigo ouvir a falar de futebol, imaginem ter que apanhar com ele a falar também de política.

- Socialista, um novo ciclo na Europa? Talvez e ainda mais preocupante. Eu diria, um novo ciclo em França, não te lembras o que fez Zapatero à Espanha, Sócrates a Portugal e o que está a fazer Susana Amador a Odivelas?

- Felicidades, devia ter começado por este, mais que não fosse para agradecer a simpatia, mas comecei a escrever do avesso, às vezes acontece. Pese o facto de ainda não ter sido eleito, mas neste caso até há vencedor antecipado, coisas de lista única, agradeço na mesma. Acrescento que também eu, até porque simpatizo com o Hugo Martins, lhe desejo as melhores felicidades em vários campos, mas não na política em Odivelas, é porque não poderemos ser os dois felizes em simultâneo.

Um abraço

16.6.12

Odivelas: Imagem do dia

23º Aniversário da Real Associação de Lisboa
Odivelas, 16/6/2012

Cascais & o mito americano

12 MIL HARLEY DAVIDSON PASSEIAM EM CASCAIS
Em Cascais, ouve-se o cantar especial de 12 mil motores Harley Davidson, montados em motociclos de todas as idades e para todos os gostos. Celebra-se o 21º Harley Owners Group (HOG), uma espécie de preparação para as comemorações do 110º aniversário da marca que vão começar com as cerimónias em Roma, entre os dias 13 e 16 de Junho do próximo ano de 2013. Seguem-se dezenas de eventos até às cerimónias de encerramento, na terra natal, em Milwaukee, nos Estados Unidos, entre 29 de Agosto e 1 de Setembro de 2013. Aí será tempo para os proprietários de todo o mundo poderem confraternizar com os 6000 funcionários daquela marca e visitar a fábrica de sempre.
Harley Davidson é uma marca indelével da cultura industrial norte-americana. É uma marca que teve enorme sucesso em plena grande depressão nos Estados Unidos. Foi lançada em 1903 por William Harley e Arthur Davidson e logo com motores de grande cilindrada com a arquitectura semelhante à actual, os dois cilindros em V. 750 e 1000 cm3 a partir de 1914. Depois, com 1200, 1400, 1600 e mais recentemente também com 1800 cm3. Todos estes equipam os modelos mais recentes. Mais ou menos extravagantes, personalizadas à medida de cada um, entre os 15 e os 100 mil euros, Harley Davidson são um mito, uma amante dos maiores apaixonados pelas motos em qualquer parte do planeta, capaz de juntar milhares.
Cascais recebeu mais de 25 mil turistas todos fanáticos pela marca americana, a maioria de meia-idade, para um evento que é acompanhado por actividades culturais, concertos e gastronomia. Os hotéis estão cheios e as receitas, só para os agentes económicos locais, ultrapassam os 6 milhões de euros. Parabéns para os que trouxeram este acontecimento e naturalmente para o Município de Cascais que procura garantir receitas extraordinárias para o comércio local.

15.6.12

Odivelas: Stig Husted-Andersen "dá" nome a uma rua.


A família Husted-Andersen


A CODAN é uma multinacional de origem dinamarquesa que está instalada em Portugal, mais concretamente em Odivelas, desde 1966.

Toda a sua produção é integralmente destinada ao mercado externo, conta actualmente com mais de 500 funcionários e é  maior empregador do Concelho.

Numa visita feita a esta empresa, em Junho do ano passado, na companhia, entre outros, de Pedro Mota Soares, Teresa Caeiro, Paulo Aido e J.M. Pignatelli, com o intuito de prestar uma homenagem ao fundador desta empresa, foi estudada a possibilidade dar o seu nome à rua que dá acesso às instalações.

Paulo Aido que é Vereador na C.M. de Odivelas fez a proposta e hoje na presença de toda a família do fundador (actuais accionistas), esposa, filhas, genros e netos, que se deslocaram propositadamente a Portugal para o efeito, foi colocada a placa com o novo nome da rua: Stig Husted-Andersen

Esta é também uma forma de cativar o investimento estrangeiro, não temo custo e é eficaz.


Mosteiro de Odivelas com um tapete diferente.

A beleza do Mosteiro de Odivelas não pára de me surpreender, a semana passada tinha um "tapete" diferente.

Estava lindo!




 

Pedro Mota Soares: as misericórdias são um produto genial da alma portuguesa

PEDRO MOTA SOARES EM SINTRA, ONTEM À NOITE
A coesão social é fundamental porque por um lado promove o apoio aos mais desprotegidos e por outro fomenta a economia social, porque as instituições de solidariedade empregam mais de 250 mil pessoas e representam 6% da riqueza nacional”, precisou Pedro Mota Soares num debate que o colocou frente a uma plateia com mais de uma centena de pessoas, entre elas dirigentes de algumas instituições de solidariedade.
Para Mota Soares importa fazer reformas estruturais que “permitam olhar para estes estabelecimentos como complementares à ação do Estado e, portanto, parceiros de vital importância”. Mas o ministro lembrou que está no governo há um ano e não é possível criar um conjunto de medidas, todas ao mesmo tempo, antes é preciso ter o discernimento de o fazer etapa a etapa, “tanto mais que é fundamental promover o diálogo com os agentes que se encontram no terreno, porque isso nunca foi uma prática de qualquer dos governos anteriores”.
Por outro lado – adiantou – a missão do governo também é fomentar o rigor nos gastos públicos e a racionalização dos equipamentos instalados, porque permite poupar e consequentemente aumentar a capacidade das contribuições para a coesão social. Teremos de mudar de hábitos de suprimir os muitos disparates burocráticos que não permitem o bom aproveitamento dos recursos que existem e de entender que as regras são para servir as pessoas e não o contrário”.
O ministro do CDS-PP lembrou que descongelou as pensões mínimas que tinham sido congeladas pelo anterior governo socialista que tanto apregoa o Estado social e que “é preciso investir nos cuidados continuados ao domicílio para evitar que Portugal se torne num País de lares como etapa final dos mais idosos, vítimas da doença, da solidão ou da exclusão, porque há centenas de pessoas nestas circunstâncias que têm a possibilidade de se manterem no conforto das suas casas e que preferem isso mesmo na vez de serem atiradas para uma instituição”.
Pedro Mota Soares enalteceu a qualidade global das instituições de solidariedade e, em particular “das misericórdias que são um produto genial da alma portuguesa que perdura há 500 anos e se estende mundo fora. É tão extraordinário que mantem os propósitos ao tempo da sua fundação pela mão da rainha D. Leonor”.

CR7 - Notável.


Se há defeito que no meu entender os portugueses têm, é o de se auto flagelar e atirarem para baixo alguém que por alguma razão se evidencia.

Vem isto a propósito de Cristiano Ronaldo.

Independentemente de poder concordar com o facto de na Selecção não atingir os altos níveis de eficácia, ou se preferirem, os altos índices de concretização e para isso poderão haver várias razões, as quais não vou agora equacionar, entendo que é sem dúvida um “fora de série” e um grande activo na divulgação do nome de Portugal.

Recordo que Ronaldo tem uma origem muito humilde e que aos 12 anos saiu da Madeira, onde deixou a sua família para apostar na sua formação, no Sporting, e que durante vários anos viveu debaixo da gélida bancada do antigo Estádio de Alvalade. Poderão dizer que há muitos que tiveram pior sorte e  há, há sempre, mas este facto não é duro e difícil.

Poderemos dizer que foi um privilegiado, que nasceu predestinado ou com o dom, isso é verdade, mas teve a capacidade de trabalho e de sofrimento para ultrapassar inúmeros obstáculos, inclusivamente uma operação ao coração quando tinha apenas 15 anos. Inequivocamente aproveitou a oportunidade.

Na sua estada no Sporting evidenciou-se desde logo e embora tenha estado pouco tempo na equipa principal, conseguiu um feito único, tornou-se no único jogador a ter jogado no Sporting nos Sub-16, Sub-17, Sub-18, B, e na equipa principal, numa só temporada, tendo no seu primeiro jogo pela primeira equipa, diante o Moreirense, marcado dois golos.

Foi transferido para Inglaterra com 17, por 15 ME imediatamente após o jogo de inauguração do Alvalade XXI, no qual com uma actuação soberba, a qual tive o privilégio de assistir ao vivo, fez gato-sapato da defesa do Manchester United.No M.U. ganhou a célebre Taça de Inglaterra, 3 vezes o Campeonato, a Liga da Europa, foi o melhor marcador do campeonato, foi o primeiro jogador deste lendário clube inglês a vencer a Bola de Ouro e foi o primeiro jogador a vencer os 4 prémios P.F.A. (Professional Futebool Association). Com a sua transferência o M.U. encaixou, nada mais, nada menos, que 100 milhões de Euros.

Chegou ao Real Madrid e não encontrou na capital espanhola uma estrutura e um conjunto tão forte como o dos seus rivais da Catalunha (recordo que o Barça o ano passado foi considerado por muitos como uma equipa perfeita e até de outra galáxia). Quando lá chegou há quase três anos, todos diziam que no futebol espanhol Ronaldo não teria a mesma liberdade e que não conseguiria os mesmos feitos. Mais uma vez provou, pode-se mesmo dizer que ultrapassou imaginável.Foi o primeiro jogador da História do Futebol espanhol a marcar 40 golos num só campeonato (o ano passado) e com isso ganhou a segunda Bota de Outo (foi o primeiro a vence-la em dois campeonatos diferentes). Este ano marcou 53 golos só pelo Real, sendo que só no campeonato foram 46, os quias foram certamente determinantes para que o Real ganhasse o campeonato. Ah! e como se costuma dizer, um desses golos, o marcado em Barcelona, resolveu o Campeonato.

Resumindo, no Real, em três anos, fez 141 jogos e marcou 153 golos.

Na Selecção tem 87 ou 88 jogos, já é o 4 jogador mais internacional de sempre e tem 32 ou 33 golos marcados (já e o 3º de sempre), dá sensivelmente 0,33 golos por jogo. O Messi outro enormíssimo jogador, com o qual tantos o comparam, na Selecção da Argentina tem 22 golos marcados em 67 jogos, o que dá mais ou menos a mesma média.

Resumindo, fosse cada um de nós, na nossa área de trabalho, tão eficaz e eficiente quanto é o Cristiano Ronaldo e Portugal não estaria assim.
Se querem ir pela Educação, primeiro devemos ver que tipo de educação a sociedade portuguesa promove e segundo, gostaria de ver muitos daqueles que dizem ter tido uma boa educação, como é que reagiriam com dinheiro e fama a este nível.

Nota: Não percebo muito de futebol, mas já “papei” muitos jogos.
DOIS FENÓMENOS




12.6.12

Pode Haver Luz: 19 - Momentos Únicos.


Transcrevo aqui o artigo que escrevi e está publicado no Jornal Nova Odivelas.

Ao longo de toda esta coluna, caso não me engane este já é décimo nono texto, tentei deixar sempre uma mensagem de esperança ou algo que transmita às pessoas que em grande parte o futuro está nas nossas mãos.

Tenho tentado faze-lo de diversas formas, quer com alguns exemplos, quer socorrendo-me de algumas histórias ou com alguma reflexão pessoal.

Porque acredito piamente no que acima escrevi e também que “querer é poder”, tenho nos últimos tempos dedicado muito do meu tempo a esta causa.

Foi nesse sentido que me entreguei nos últimos tempos, em conjunto com outras pessoas, à organização de uma iniciativa a que denominámos FAZER & VENCER.

O FAZER & VENCER tinha o objectivo claro de transmitir que na actual conjunta se torna perfeitamente necessário ter espírito de iniciativa e/ou ser empreendedor e que isso não pode significar um drama. Mais, que esta vida é única e que a grande derrota que cada um de nós pode ter é, não tentar.

Para esse efeito recolhemos neste evento, o qual decorreu no Mosteiro de Odivelas, cerca de 50 testemunhos de pessoas que ao longo da sua vida, em áreas, situações ou momentos muito distintos já fizeram algo de significativo.

Todos foram do maior interesse e relevância, mas houve alguns que foram muito profundos, direi mesmo esmagadores.

Hoje destaco aqui os testemunhos de Jorge Pina e de Manuel Forjaz. O Pina era um desportista de eleição e ficou cego, contou-nos como refez a sua vida e como é que continua a competir ao mais alto nível; outro, o de Manuel Forjaz, que tem uma carreira de sucesso na área empresarial, que actualmente está a lutar contra um cancro e que no dia seguinte a ter estado connosco teve mais uma sessão de quimioterapia, mas mesmo nessas condições quis associar-se a este evento e dizer o quanto para ele é importante: lutar e tentar.

É com exemplos como estes, transmitidos por pessoas que ficaram seriamente limitados, ou que inclusivamente viram a sua vida “a andar para trás”, que penso que todos nós ficamos a pensar que realmente nada poderá impedir que tentemos.

Nota: Todas as intervenções podem ser vistas em: http://www.pensarodivelas.blogspot.pt/.


Os falhanços do nosso futebol


Em tempo de aperto, de preocupação sobre o futuro dos portugueses ou da maioria que vivem dos salários e das reformas, do trabalho quotidiano independentemente se é ou não muito produtivo, falar de futebol não é prioritário. De qualquer modo, não resisto a fazer alguns comentários a propósito das afirmações que se ouvem e proferidas antes e depois da derrota com a Alemanha, a única que jamais devia ter acontecido pelas mais variadas razões.
A nossa selecção, eternamente favorita a um título de nada, é um grupo de atletas idolatrados, onde quase todos têm lugar cativo porque são os únicos que garantem – sempre - o êxito dos triunfos da nossa moral. São os 23 que vão correr atrás do prejuízo, que nos elevam a esperança daquilo que nos diminuiria a angústia dos tempos de crise, que serviria para nos fazer esboçar uns sorrisos. Mas vivemos o eterno fatalismo: a esperança tropeçou numa pedra de azar, de uma mão cheia de oportunidades não concretizadas, perante uns alemães frouxos… Mas a verdade, chama-se eficiência: o alemão de nome espanhol, Mario Gomez, teve três possibilidades de marcar e concretizou uma delas – foi 33,33% eficaz!

Mas o que é que falhou para que Portugal só tenha ganho moralmente? Nada ou talvez tudo. Vejamos:
1. O jogo teve 97 minutos e os portugueses procuraram a vitória durante 19 minutos, precisamente 19,5% do jogo;
2. Dos 19 minutos que a nossa selecção procurou ganhar, 5 aconteceram na ponta final da primeira parte, os restantes 14 no final do desafio, precisamente quando fomos obrigados a correr atrás do prejuízo, do 0-1;
3. Durante 78 minutos, os portugueses rezaram o terço ou aves maria na esperança de ver a bola entrar na baliza dos alemães, num daqueles tiros ‘à Carlos Manuel’, de mais de trinta metros de distância, ou por ‘obra e graça do espírito santo’;
4. A afirmação extraordinária e de grande intelectualidade de Paulo Bento: “ É mais difícil executar do que dizer”. Sem dúvida que é preciso ter vontade de fazer e bem feito, de perceber que só vencem os audazes, os que mais tentam que a bola entre na baliza do adversário. Aconselha-se a visualização intensiva das partidas entre espanhóis e italianos, do Euro, ou entre argentinos e brasileiros, num jogo de preparação para as Olimpíadas de Londres a realizar já no próximo mês de Julho;
5. A selecção prepara-se a mais de uma hora de voo do local onde joga e num fuso horário diferente, o que significa que, para jogar por três vezes, vai gastar cerca de 7 horas dentro de um avião e mais outras tantas em transportes e formalidades. Gestão a que nos habituaram muitos líderes portugueses;
6. Há, pelo menos um jogador que exigiu a colocação, no seu quarto, de um espelho da sua altura;
7. Quantas pessoas formam a comitiva portuguesa e que funções desempenham;
8. Quantos jogadores conhecem o significado de patriotismo, de honradez, de respeito pelos cidadãos e sabem cantar o Hino nacional (excepção se faça ao brasileiro Pepe que o fez com grande emoção… valha-nos isso);
9. O prize money que a UEFA pagou à Federação Portuguesa de Futebol, pela participação da nossa equipa no ‘Euro 2012’, será gasto com as despesas de participação… Assim, valeria a pena conhecer o montante envolvido, para podermos corroborar ou não com alguma comunicação social estrangeira que noticia que a equipa portuguesa se encontra entre as três que mais gasta;
10. A publicação das contas todas, daria para perceber também que poderemos estar perante uma contribuição dos dinheiros públicos, ao contrário do que afirmou Humberto Coelho, vice-presidente da federação.

E amanhã será o tira teimas diante do ‘onze’ da Dinamarca: na fase de apuramento para esta competição, Portugal perdeu por 2-1 na Dinamarca, no dia 11 de Outubro de 2011, uma ano depois de ter vencido por 3-1, na primeira mão jogada em Portugal. O histórico dos confrontos oficias entre as duas selecções, os portugueses levam vantagem: 5 triunfos, contra 2 derrotas e 2 empates.










POR ODIVELAS, CONTAMOS COM TODOS! (2)


Ontem foi apresentada uma candidatura aos órgãos concelhios do CDS/PP de Odivelas, a qual eu integro e na qual sou candidato à Presidência da Comissão Política.

Como informei esta decisão foi tomada nos últimos dias e só foi possível porque se conseguiu constituir uma equipa que para além da competência, dá garantias de um grande espírito de entreajuda, de solidariedade e que será determinada na defesa dos superiores interesses do Concelho.

A motivação, a disponibilidade evidenciada por todos e a concordância com a estratégia delineada para as autárquicas de 2013, na qual não poderão haver hesitações, também foram determinantes.

Desta equipa fazem parte a Fátima Pires, a Madalena Varela, o André Carreira, o Gonçalo Dinis, o Carlos Fortes e o Carlos Simões, a Talé Pignatelli e a Carla Rodrigues, na Comissão Política e na Mesa da Assembleia, estarão o João Pela, o Armindo Cardoso e a Marisa de La Fuente.

Será com toda a certeza um grupo funcional que terá a capacidade de integrar todos aqueles, militantes ou não, que POR ODIVELAS estejam disponíveis para colaborar connosco.

POR ODIVELAS, CONTAMOS COM TODOS!


Por razões pessoais que na altura expliquei aos militantes do C.D.S./P.P, há uns meses renunciei ao mandato de Presidente da Comissão Política de Odivelas.

Após uma reunião no final da semana passada foi possível encontrar uma solução que me permitirá conciliar com maior facilidade a vida profissional/pessoal com a política, de forma a que o CDS em Odivelas não perca a dinâmica e a força que tão necessárias são para enfrentar com êxito as autárquicas de 2013.

Aproveitei este fim-de-semana, poderei e amadureci a ideia, ontem a equipa ficou formada e a candidatura foi entregue.

Dia 21 vamos a votos.

Por Odivelas e pelo CDS, contamos com TODOS.



11.6.12

Imagem do Dia!

Exageros

Os Estados Unidos são um país de contrastes, também de rigores extremos, muitos deles exagerados. Diane Tran, com 17 anos foi presa tão-só porque faltou a algumas aulas e com justificação. È que esta jovem precisa de manter dois empregos para sustentar os irmãos. O esforço obrigou-a a falhar algumas aulas. A texana foi presente a um Tribunal de Menores que ordenou a cadeia.
Ainda assim, é uma das melhores alunas da escola secundária de Willis, no Texas, onde frequenta o 11º ano de escolaridade e tem o nome afixado no quadro de honra. Diane falhou aulas de espanhol, inglês, álgebra e história.
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=2551397

8.6.12

A arte da Inês

Já aqui fizemos alusão aos desenhos de Inês Coelho e Sousa quando foi distinguida com o primeiro prémio do Concurso anual promovido pelo Sindicato dos Funcionários Judiciais para crianças com 12 anos.
A Inês continua a pintar a carvão e volta a surpreender pela qualidade e impressionismo manifestado. A perspectiva do desenho que, agora, publicamos leva-nos também a uma das facetas do cubismo. Inês Sousa continua a ser uma aluna de quadro de honra da Escola Vasco Santana em Odivelas.

6.6.12

Ferrari de Stirling Moss valeu 35 milhões

35 Milhões de dólares foi quanto o colecionador norte-americano Graig McCaw gastou para adquirir o Ferrari 250 GTO que foi construído para o lendário piloto Stirling Moss, em 1962. O veículo desse sempre muito cobiçado pertencia ao empresário holandês Eric Heerema, um colecionador que vive no Reino Unido. Este é um novo recorde atingido na compra de uma automóvel.
Em leilões, o máximo conseguido aconteceu no ano passado, também para um Ferrari, um 250 Testa Rossa de 1957, que foi entregue depois de uma licitação de 16,4 milhões de dólares. A marca italiana ainda detém outro recorde: em 2008, em Londres um 250 GTO, também de 1962, foi leiloado por 15,7 milhões de libras.
De salientar que a Ferrari construiu, apenas, 39 exemplares do modelo 250 GTO, todos num período de dois anos, entre 1962 e 1964. Este GTO já equipava um motor de 12 cilindros, então de 3 litros, com 300 cavalos e, tal como o atual com motor colocado na frente e tração anterior.
Entre os automóveis que foram vendidos por quantias exorbitantes encontra-se um Bugatti Type 41 Royale, transacionado por 5,5 milhões de libras em 1987, e uma Ferrari California Spyder, de 1961, que valeu 5,4 milhões de libras.
Moss não chegou a correr com o GTO
O mais extraordinário é que o Ferrari, agora adquirido pelo americano McCaw, nunca chegou a ser conduzido por Stirling Moss nem em pista nem fora dela. Nas vésperas de o poder fazer foi vitima de um acidente grave, na pista de Goodwood, em Sussex, a 23 de Abril de 1962, que o deixou em coma. O piloto britânico nascido em 1929 acabou por abandonar as pistas em resultado desse episódio.
De recordar que só na Formula 1, Moss triunfou em 194 corridas dos 497 grandes prémios realizados, nunca conseguindo conquistar um titulo mundial. O britânico correu entre 1948 e 1962 e foi o maior rival do célebre Juan Manuel Fangio e de Mike Hawthorn.

5.6.12

FAZER & VENCER: Momento Único..

Ao longo das Jornadas FAZER & VENCER houve vários momentos marcantes, mas este foi único. Foi numa sala única, o antigo refeitório das freiras, com uma intervenção do Coronel José Serra (Director do Instituto de Odivelas), com Maria Máxima (Historiadora) a descrever a sala e a sua história e acabou com o pianista Rui Caetano a tocar de improviso, certamente inspirado por todo aquele ambiente.



FAZER & VENCER - Veja todos os testemunhos.

A primeira edição do FAZER & VENCER terminou no passado fim-de-semana. Foram muitos os testemunhos que recebemos e foram muitos os que por lá passaram para assistir, mas para todos aqueles que não tiveram possibilidade de marcar presença e para memória futura, o PENSAR ODIVELAS já está publicar os videos de todas as intervenções. Clique aqui e ...

4.6.12

Odivelas: Pavilhão multiusos em saldo

Hernâni Carvalho e Paulo Aido são os dois vereadores da Câmara de Odivelas que têm questionado o modelo de gestão avulsa do recente pavilhão multiusos de Odivelas, que custará ao erário público mais de 41 milhões de euros. Uma posição que resulta da falta de coerência e noção da realidade das despesas que o município tem com o funcionamento daquele equipamento.
Desta vez, foi Hernâni Carvalho que voltou a contestar mais duas cedências do pavilhão Multiusos.
O meu voto contra não se prende com o mérito dos eventos que se propõem, tanto mais que um deles é uma Taça do Mundo, mas sim pela disparidade e o ridículo das verbas que se pedem aos promotores, que dá a ideia que o pavilhão está em saldo”, disse Hernâni Carvalho.
Em causa – prosseguiu - está a gestão do equipamento que não se baseia em nenhum modelo e que, assim, jamais terá receitas capazes de pagar o seu custo astronómico à Odivelas Viva. A troco de uma eventual promoção do concelho nem se utiliza o Regulamento de Taxas Municipais, pedindo-se muito pouco por dois eventos, menos de 4 mil euros, quando se podia ter cobrado, pelo menos mais de 7200 euros e isto para não falar dos direitos de transmissão televisiva da Taça do Mundo de Judo”.



Parcerias na saúde em Odivelas: Propõem-se rastreios e esquecem-se da protecção de dados

A Câmara Municipal promove uma parceria para fazer dois rastreios, um à postura corporal, já em Junho, e outro às doenças vasculares, em Setembro, com uma multinacional alemã, mas não explica como garante a protecção dos dados recolhidos das pessoas que participem nestes rastreios”, disse Hernâni Carvalho, na última reunião do Executivo camarário.
O vereador Independente esclareceu que “não conhece nenhuma empresa que se disponha a investir tempo e dinheiro num rastreio a troco de nada”.
Hernâni Carvalho recordou ainda: “Aguardo pela actualização do Plano Municipal de Saúde que foi prometida na reunião do Executivo, do passado dia 21 de Junho de 2011, há quase um ano… O documento está na mesma, só com dados de 2009”.

3.6.12

FAZER & VENCER – Considerando 2.


Os principais objectivos foram alcançados e em alguns casos até foram mesmo ultrapassados. Foi importante dar alento, foi importante dar esperança, foi importante dar verdadeiras oportunidades, foi importante a troca de experienciam, mas também muito importante, foi a criação de bases e de elos de ligação para novos projetos.