31.12.10

De borla, à grande, mas sem champagne francês

A cerca de meia hora de saltarmos de ano e já com meio mundo em 2011, resta-me um momento de maior humor. De vos anunciar que via satélite percebo que mudar de ano no Brasil é mais quentinho sobre todos os pontos de vista.

Ainda melhor festejar de borla, desde o voo no privado avião pago por todos nós até às melhores iguarias provavelmente a troco de uns bilhetes da divida pública.

Fantástico, nós portugueses estamos entre as 130 personalidades de outros países que se fazem representar na tomada de posse de Dilma Rousseff, a primeira mulher eleita para presidente do Brasil. Talvez por isso mesmo a cerimónia é amanhã dia 1, dia do Novo Ano (…) caso para dizer que no Brasil Ano Novo Vida Nova.

Mas o mais importante é a nossa diplomacia a funcionar:

Estão a comer pargo português no forno recheado com frutos tropicais;

Segue-se um peito de faisão recheado também com amêndoas nacionais de Trás-Os-Montes e ameixas de Elvas, com molho de ervas aromáticas da quintarola da tia do Pinóquio, daquele boneco animado muito português;

Não há champagne francês mas um Raposeira Reserva da Casa de Lamego;

Os brancos e tintos são vários todos das melhores casas portuguesas, da garrafeira de José Sócrates e de Hugo Chávez, exactamente do presidente da Venezuela que as vai coleccionando cada vez que cá aterra para comprar computadores Magalhães.

É mesmo tão bom estar longe e tão perto ao mesmo tempo (?!)

Afinal de contas o nosso primeiríssimo vai assistir à tomada de posse de uma irmã brasileira mas que, a avaliar pelo nome, não tem com toda a certeza antepassados portugueses.

De qualquer forma da próxima vez temos de estar atentos para dar lugar a outros representantes da Nação Portuguesa

José Maria Pignatelli

Cromos da Bola - Lothar Mattthaus



Com um abraço amigo,

... deixo aqui as minhas últimas imagens, do último dia de 2010.




O património


Quem foi que disse que o nosso património não atrai visitantes?

1 de Janeiro

1 de janeiro - dia do Santíssimo nome de Jesus, orago da Igreja Matriz de Odivelas.

Aqui deixo a imagem que se venera no altar-mor da igreja.

Para uma terra que inicia o ano no dia do seu protector e para todos os que aqui residem,
desejo que em 2011 alcancem tudo aquilo a que têm direito, esperando que Ele advogue as nossas causas.

Frase do dia

"A reforma é como o horizonte ou seja...

Uma linha imaginária que recua à medida que tu avanças...!!! "

Esta foi a melhor frase que recebi nesta última semana.

Foi-me enviada por Paulo Bernardo e Sousa.

Pena é que perspective um futuro mais cinzento para as gerações vindouras.

Oxalá que não corresponda à realidade.

José Maria Pignatelli

Solidão e o castigo de ser velho

video

Uma lição oportuna. Um video publicitário sério, demasiado sério que mostra a realidade cada vez maior e global. Um facto transversal dos ricos aos pobres, mesmo em algumas das nações que mais protegem os cidadãos.

Que 2011 contribua para a mudança, pelo menos no respeita os mais desprotegidos.

José Maria Pignatelli

30.12.10

Se ontem tinhamos...

... batido o recorde anual de visitas, hoje foi a vez de batermos o máximo no que se refere ao número de posts visualizados.

Sonhos

Porque nos cabe a nós manter vivos estes sonhos e avançarmos com os nosso própios sonhos.
Porque nos cabe a nós transformar sonhos em realidades... como que por magia, com muita determinhação, força de vontade e honestidade.
http://www.youtube.com/watch?v=DS6gNxp-RI0

Cromos da Bola - Littbarski

Coloco este jogador hoje, como homenagem a um grande jogador de futebol. Foi internacional alemão e também jogou vários anos em Inglaterra, teve uma particularidade ímpar, não levou nenhum cartão amarelo ao longo da sua carreira. Fenomenal.



Realmente!




Pensamento do dia ou do final de ano.


O melhor que deste ano tirei, para além do muito que aprendi, foi sem dúvida o facto de ter conhecido, ou ter passado a conhecer melhor, algumas pessoas por quem hoje tenho um enorme respeito e admiração.

Não vou mencionar os nomes, mas são pessoas na sua maioria, que tal como eu, pensam que não estamos condenados ao fracasso e ao insucesso, que acreditam que é possível fazer-se mais/melhor e que para além disso, lutam com determinação para que isso aconteça, muitas vezes abdicando de muitas outras coisas que lhes são muito queridas. Para além disso são pessoas que deram sempre sinais de amizade, lealdade e solidariedade.

Obrigado!

Acreditar - Ponto e Virgula

Por todo o lado vejo mensagens de optimismo, de que devemos acreditar, de que nos devemos esforçar para levar o país e as empresas onde trabalhamos para a frente.
Adoro. Acho máximo. Até sinto um pequeno ânimo a renascer. Mas…
Mas quando ao fim de um dia, de Dezembro, de 2010, saio de um trabalho que fui fazer lá para os lados da Baixa de Lisboa não há iluminações de Natal que me valham, e lá se vai o ânimo por água abaixo. Dentro do meu casaco quentinho, no percurso da Rua do Carmo até aos Restauradores, é o desalente em forma de pessoas sem forma… amontoados que respiram e que preparam uma cama de cartão e cobertores rotos no chão, há porta de lojas que já fecharam, há porta de bancos e seguradoras.
Sim, não devemos baixar os braços… não podemos. Por estas pessoas em que tropeçamos diariamente, e cada vez mais, na rua. Pelas crianças e idosos que estão institucionalizados. Pelas famílias que vivem uma pobreza recente e envergonhada. Por todos nós.
Porque nunca podemos esquecer que os outros somos nós!
Porque nunca nos podemos esquecer que os sorrisos não são só para distribuir no Natal!
E não me venham com frases de optimismo e esperança ridículas e hipócritas de quem nada faz e arruma assim a sua pequeníssima consciência entre as prateleiras de um qualquer gabinete almofadado.
Por isso, um abraço muito especial, e os desejos de um ano maravilhoso, para todos os que durante todo o ano tiram um bocadinho de si e do seu tempo para dar a mão e um sorriso a quem está a precisar.
Só a esses cabe o direito de proferir frases de alento, de optimismo, de esperança. Conquistaram-no.

Teresa Salvado

(Texto escrito para a rúbrica "Ponto e Virgula", publicado no jornal Nova Odivelas)

Desafio

Chega o final de mais um ano. Altura de balanços e de perspectivarmos o ano que começa.
Em relação a este blog o balanço é claramente positivo: é sem dúvida um espaço de referência e de liberdade de escrita e de pensamentos.
No entanto, e porque defendo que devemos nivelar por cima, quero mais deste e para este blog.E é aqui neste ponto que lanço um desafio a todos os que colaboram de alguma forma neste espaço... ou porque nele escrevem ou porque o seguem com atenção. A ideia é fazer com que este blog se torne num espaço mais dinâmico, mais participado e participativo, num local de debate de ideias, de apresentação de propostas.
Como? Tornando-nos todos mais assíduos, escrevendo mais, lançando o debate sobre os textos escritos.E quem sabe o que daqui pode nascer...
Penso estar chegado o momento de não nos demitirmos mais das nossas responsabilidaces enquanto cidadãos.
Bom 2011 para todos!!!

Teresa Salvado

Os Presidentes

O frente-a-frente entre o actual presidente Cavaco Silva e o recandidato Manuel Alegre levantou-me algumas dúvidas sobre o que ambos pensam concretamente do futuro e da realidade do País e pior ainda é quando ouvimos meias respostas que deixam o cidadão comum como se estivesse à deriva no meio do oceano (…) São os tais “Se’s” que pairam no ar e por vezes a tocar na impreparação dos candidatos.

Senão vejamos:

  • Cavaco Silva insiste – e muito bem - no Estado Social, mas não explica como se arranjam os euros necessários para a manutenção do Serviço Nacional de Saúde na essência de que todos têm direito aos cuidados de saúde, para acudir aos desprotegidos (idosos e crianças), aos quase 700 mil desempregados (muitos deles sem qualquer subsídio até por já terem ultrapassado o prazo e manterem-se na condição de desempregados de longa duração, porque se encontram na faixa entre os 45 e 60 anos e por muito especializados ou letrados que sejam são velhos para o mercado de trabalho), à solução de centenas de milhares de empregos precários e ao crescimento do número de empregos;
  • Manuel Alegre apoia as recentes declarações do “pai” do Serviço Nacional de Saúde, António Arnauld, mas lá acaba por afirmar concordar com as taxas moderadoras em sede de urgências hospitalares até como medida de evitar os entupimentos desses serviços nos hospitais civis (…) Ora o candidato desconhece em absoluto que o recurso às urgências dos hospitais acontecem por falta de apoio médico de retaguarda capaz, que deviam funcionar nos centros de saúde agora pomposamente designados por unidades de medicina familiar. Por outro lado, Manuel Alegre mostra desconhecer as tabelas das taxas moderadoras e os seus escalões que agora passam a estar enquadrados com os rendimentos dos cidadãos, mas de uma forma completamente surrealista.

Os conselheiros dos candidatos deviam explicar que o governo - este e qualquer outros que venha – têm de encontrar forma (s) de subsidiarem a saúde pública nem que isso passe pela criação de impostos ou taxas indirectas.

O País necessita de muitos milhões acima das receitas que consegue. É preciso ter coragem para assumir que estamos tecnicamente falidos que urge reformar e reestruturar o aparelho de Estado, suprimindo institutos e empresas públicas, participadas e também algumas municipais reorganizando os recursos humanos destas instituições, engendrando valências de trabalho que nunca foram pensadas.

Também não podemos ter candidatos a falar da nossa Zona Económica Exclusiva Marítima e da nossa influência em África e em outras paragens quando não temos dinheiro para o fazer, porque vendemos as nossas frotas marítimas e debilitámos os nossos estaleiros navais, encerrando mesmo a Lisnave de Almada.

Portugal necessita de um Presidente inevitavelmente com mais poderes, mesmo ponderar um sistema presidencialista capaz de exercer uma diplomacia mais prática e actuante junto dos seus parceiros mais próximos… Nem que seja necessário relembrar a alguns líderes como a Chanceler alemã que foram os europeus (obviamente com a contribuição dos Estados Unidos) que, a custo zero, suportaram a reconstrução europeia que os alemães destruíram por duas vezes com duas guerras mundiais em escassos 40 anos e que foram o maior pesadelo do século XX. Como afirmou o professor Adriano Moreira há dias na SIC Notícias numa entrevista conduzida por Mário Crespo, os alemães devem ser mais cooperantes e colaborantes com os países europeus em situação difícil porque de alguma maneira foram eles que durante décadas até lhes prestaram segurança gratuitamente.

De qualquer forma, no actual regime semi-presidencialista subsiste a dúvida de que valerá ter um Presidente da Republica com poderes limitados, dependente do parlamentarismo e que tem um orçamento anual acima da Casa Real espanhola que, por exemplo possui maior espólio e equipamentos a manter.

Como cita o colunista Jorge Fiel no Diário de Notícias - “Razões tinham os deputados à Assembleia Constituinte de 1911, quando equacionaram a hipótese de não haver Presidente da República. Pena que tivessem acabado por criar o cargo, mas recorde-se que o rodearam de restrições como a obrigação de o Presidente pagar as despesas do seu bolso (renda do Palácio de Belém incluída) e a proibição de se fazer acompanhar pela mulher nas cerimónias oficiais. E era eleito pelo Parlamento, que podia demiti-lo antes do termo do mandato”.

De qualquer forma estas restrições também se podiam impor aos deputados, tal qual sucede nos países do Norte da Europa, como na Suécia, onde os eleitos que vêm de fora apenas têm direito a habitações do estilo comunitárias onde a cozinha, lavandaria, tratamento de resíduos sólidos são áreas comuns… E ainda pagam uma verba simbólica por isso bem como a limpeza. Nestas edificações os espaços privados (quarto, escritório e instalações sanitárias) variam entre os 30 e os 45 metros quadrados. Se os deputados desejarem maiores mordomias têm de procurar fora e passam a ser figuras de menor credibilidade. É que aqui subsiste a ideia de que servir é honroso e que os dinheiros públicos, dos contribuintes devem ser escrupulosamente respeitados, para que se prestem bons serviços aos cidadãos e obviamente para que não se atravessem crises como aquela que vivemos nós e mais alguns outros.

José Maria Pignatelli

Cabeças de Vento


A propósito de um Post do M.Xara Brasil aqui no Um Rumo...



Isto de se ter duas pálas nos olhos como os cavalos, tem muito que se lhe diga… Depressa chegam a burros, sem desprimor para os ditos…


Como é que não passou pelas cabecinhas pensantes desta chamada Terra de Oportunidades, que o grupo de pessoas, que colaborou com o Projecto Pensar Odivelas/Comércio Local do CDS-PP, não tenha sequer feito um trabalhinho de casa básico que foi o de procurar saber como seriam resolvidos os mesmos problemas noutras zonas e Municípios do País?

È claro que isso foi feito, e visto a nível das autarquias, e só para dar alguns Exemplos:

Exemplo 1

Exemplo 2

Exemplo 3

Exemplo 4

Como costumo dizer, era só ter alguma flexibilidade mental agregado a uma dose pequena de humildade e pôr os neurónios a funcionar ao serviço dos Odivelenses e dar provimento às acções propostas e da melhor forma possível de modo a beneficiar ainda mais o comércio local e a população de Odivelas.

Para isso é que estes senhores são eleitos e pagos, já que não conseguem ter ideias ao menos saibam agarrar oportunidades de ouro com mestria e fazer disso bandeira primando pela diferenciação e jogando na antecipação.

Mas como diz o meu amigo José Carlos Correia

São todos muito franquinhoooooooo!

Mais um caso em que o rato pariu uma montanha.


Ainda no seguimento do post que coloquei ontem a polémica à volta do caso Ensitel continua, agora colocando-se também ao nível dos limites da liberdade de expressão.

Este é um caso que com toda a certeza irá estudado e dado como exemplo nas mais variadas palestras, tanto empresárias, como de comunicação, como politicas, como de justiça.

É que este não é o caso em que a montanha pariu um rato, é o caso em que o rato pariu uma montanha, tudo isto à conta das redes sociais.

Em 2011 o Mundo precisa de dialogar

Luiz Carlos do Nascimento é um cibernauta brasileiro residente no seu País que faz intervenções a escrito em alguns jornais online e com determinada pertinência. Já é lido em alguns cantos do globo. Tive o prazer de o poder confrontar em privado através de correio electrónico. Com este brasileiro aumento o meu campo do conhecimento.

Luiz Carlos é um cristão convicto, mas dos que entende bem a grandeza do país onde vive, mas também a incerteza do futuro de milhões de brasileiros que continuam a perceber que a classe média naquele país continua exígua (…) demasiado para a necessária reforma do tecido socioeconómico.

E talvez por isso (ou não) enviou-me há minutos uma interessante mensagem de Ano Novo que passo a transcrever:

Meus amigos e amigas, carregadinhos de Esperança para 2011, Paz, Esperança e Alegria!

A Esperança é uma virtude própria de nós, humanos. Nem mesmo Deus, como ser atemporal, a possui. Mas como fazer para que nossas esperanças para o Ano Novo realmente se concretizem?

Aí vai, a RECEITA. Abaixo um trecho dela:

Querem de facto, que este ano seja um tempo de profunda renovação da sua vida?

Desejam que isso repercuta bem para as pessoas ao seu redor e para todo o universo?

Então, refaçam neste início de ano novo o compromisso de, a cada dia, consagrar um tempo, por mínimo que seja, de gratuidade e interioridade para renovar um verdadeiro e profundo diálogo consigo mesmo/a.

Ao mesmo tempo, comprometam-se em ser, cada vez mais, pessoas de diálogo com os outros, inclusive com as pessoas que pensam e agem a partir de valores que vocês não aprovam.

O diálogo mais fecundo é justamente com os que pensam e actuam diferentemente de nós.

E um pensamento que também vale como uma receita para toda a nossa vida:

“A MELHOR MANEIRA DE MELHORAR O PADRÃO DE VIDA É MELHORAR O PADRÃO DO PENSAMENTO” Roberto Shinyashiki, psiquiatra e psicanalista.

José Maria Pignatelli

29.12.10

Sem JUSTIÇA não há paz

Tenho afirmado e escrito muitas vezes, que a JUSTIÇA não é um favor, mas sim um direito. É isso que a distingue da Caridade. Hoje li um texto em cujas afirmações me revejo inteiramente.
Para quem nunca leu nem ouviu o Bispo das Forças Armadas, D. Januário Torgal Ferreira, poderão ser uma surpresa as suas afirmções:
"A Igreja não pode ser uma fábrica de bem-fazer, deve ser sim uma fábrica de Justiça. Claro que temos de dar de comer a quem tem fome, mas o essencial não é a caridadezinha, nem sequer a caridade. O essencial é garantir os direitos de cada cidadão. É isso que temos de exigir do Estado e é isso que também falta à Igreja."
Eu subscrevo inteiramente estas afirmações e aplaudo o uso da liberdade de expressão, que revela a liberdade de pensamento de um sacerdote que não deixou de ser um Homem.
Este bispo vem na linha de pensamento e acção de outros bispos que honram a Igreja portuguesa:
D. António Alves Martins, bispo de Viseu no século XIX e D. António Ferreira Gomes, bispo do Porto no século XX.
Todo aquele que tem sob a sua responsabilidade seres humanos, é imperioso que seja, antes de tudo, justo. A caridade vem depois e não pode substituir a Justiça.

Cromos da Bola - Boniek



Exemplo de campanha publicitária de posicionamento.



Há campanhas publicitarias com objectivo de promover a venda imediata de um determinado produto, outras há que o objectivo é posicionar e valorizar o produto ou a marca, é o exemplo da nova campanha do Absolut Vodka.


e vai mais uma garrafa!



Depois de em Setembro o Odivelas Um Rumo ter batido o recorde de visitas, este mês pese o facto do período de nos dias de Natal termos tido poucas visitas, hoje o máximo mensal foi de novo ultrapassado e ainda faltam uns dias para o fim do mês.

Se forem comemorar,
a dica de ontem pode servir para amanhã. (lol)

A força da Net e das Redes Sociais.


Às vezes dos pequenos "nadas", aparecem grandes "coisas" e outras vezes, desses mesmos pequenos "nadas", desfazem-se grandes monstros.

A Ensitel, provavelmente por ter descurado a reclamação de uma simples cidadã (a quem de nós é que isto ainda não aconteceu com alguma grande empresa) está a ver-se numa grande trapalhada. É que a Maria João Nogueira reclamou um telemóvel que tinha comprado, a reclamação não foi aceite e ela não se fez rogada, veio para a net e começou a blogar, estando a Ensitel neste momento a viver um autentico inferno.

Manda o futebol

Meio milhão de portugueses praticam actividades desportivas federadas.
Como não poderia deixar de ser, o ranking é liderado pelo futebol com perto de 150 mil atletas federados a dar pontapés na bola. ´
E indiscutível que o grupo de jogadores campeões mundiais de Sub 21, à altura de Figo, Rui Costa, Paulo Sousa, foi porventura o momento mágico que despertou ainda mais o entusiasmo pela prática da modalidade que continua a ser a que mais dinheiro movimenta no País. Naturalmente que não podemos deixar de lado algumas disciplinas do atletismo e do automobilismo onde ultimamente portugueses têm conquistado importantes titulos internacionais.
O jornalista Marco Vaza do Público escreve um artigo muito interessante sobre este tema que também pode ser redundante no que respeita à pratica desportiva em Portugal, também ela em média das mais baixas percapita entre alguns países da União europeia.
O artigo é de ler é este.

José Maria Pignatelli

28.12.10

Tesouros do Mundo.


Ao publicar hoje este post (Safari a cavalo na Namíbia) lembrei-me de como há coisas maravilhosas no Mundo, algumas delas não conhecemos e provavelmente nunca conheceremos, mas isso não impede que pelo menos possamos ter a ideia de que existem e de como são. Por isso, assim que acabar rúbrica Cromos da Bola, o que acontecerá no dia 1 de Janeiro, iniciarei uma outra, Tesouro do Mundo. A partir dessa data, semanalmente colocarei aqui imagens de locais paradisiacos que há por este Mundo fora.

Será que chegam?



Depois de ao longo deste ano o executivo ter feito o que fez aos comerciantes, recusando inúmeras propostas para Revitalizar e Dinamizar o Comércio Local, as quais lhe foram apresentada de "mão beijada", o que (não) fez este Natal, não foi mais que lhes dar a fava do Bolo Rei ao género da "cereja no topo do bolo".

Dá sempre jeito saber.


Já no Verão tinha deixado aqui a dica que o zimbro era um óptimo produto para combater a azia e o mau estar, agora vêm os ingleses dizer que torradas com mel ajudam a curar as ressacas. Enfim, dicas que nesta época de festas podem dar sempre jeito.

Cromos da Bola - Cubillas

Um mundo diferente, no nosso mundo!



Será que há alguém (alguns) a enterrar a cabeça na areia?


Depois de todos os episódios a que assistimos em torno da Marmelada, alguns mais conhecidos que outros, tendo sido muitos deles perfeitamente dispensáveis, não posso também deixar de lastimar o tempo perdido numa só causa.

É que ao tentar estar sempre no centro das atenções com medo de perder algum protagonismo, este executivo para além de executar mal como ficou à vista, deixa de pensar, de estudar, de avaliar e de executar inúmeros outros projectos que possam desenvolver o Comércio Local em Odivelas.

Isto faz tanto mais dó, quando vemos iniciativas que foram propostas a este executivo, estarem a ser implementadas noutros locais como pode ver aqui.

Penso que se ainda houver o mínimo de vergonha alguém ou algumas pessoas devem estar neste momento “a enterrar a cabeça na areia”.

27.12.10

Cromos da Bola - Lothar Mattthaus

Cada vez faz mais sentido.


Há apostas para as quais estamos "talhados", tudo o que está relacionado com a forma como recebemos e organizamos os eventos é uma delas.

Foi assim por exemplo com a Expo, com o Euro, com o Dakar e é assim com os congressos. É que Lisboa acabou de ser apontado através de um inquérito feito a congressistas como a melhor cidade do mundo para congresso.

Relacionado com o turismo ainda há muito a fazer, vamos a isso!

RETROSPECTIVA

RETROSPECTIVA
O ano de 2010, encontra-se no fim e gostaria de fazer uma pequena análise do que tem sido este ano, agora que se encontra no seu términus.
Económica e financeiramente, infelizmente, verifica-se tudo aquilo que tenho vindo ao longo do ano a dizer, em vários artigos que escrevi. Faltará, neste momento, a entrada do FMI, em Portugal... se já não está!
Socialmente, continuamos a ver os responsáveis políticos, a assobiar para o ar e a fingir não ver, o que toda a gente vê! Uma crise enorme a nível social, com o aumento da fome e do desemprego e uma grande falta de «savoir faire», por parte dos políticos para tentar dar a volta ao que se verifica.
Tenho vindo a ler os post que os meus colegas de blogue têm colocado e não consigo entender, como a nível do Concelho de Odivelas, as autoridades não procuram «servir-se» de algumas ideias que são apresentadas.
Não se vê projectos, no sentido de revitalizar e procurar melhorar o comércio local.
Não se vê projectos alternativos, que possam fixar de forma mais permanente os odivelenses, ao seu Concelho.
Não se vê projectos económico-financeiros, que permitam realizar receita, sem ser o aumento dos impostos, ou o dinheiro resultante das licenças de construção, para habitação.
Enfim, o que vemos é uma completa estagnação e o Concelho a afundar-se, num mar de dívidas. Numa tesouraria, conforme já havia referido no Verão, em total ruptura financeira e, logo em falência técnica.
Neste momento, não sei se não seria melhor, se fosse uma empresa, pedir a insolvência!
Mas, os problemas neste concelho continuam a resolver-se, assobiando-se para o ar e procurando criar culpados em fantasmas e... na crise mundial.
Pois é, meus senhores, mas os países que se encontravam em crise já estão a sair dela. E aqueles que ainda não saíram apresentam reformas, propostas, projectos, ideias de forma a saírem dela.
No nosso país e concelho, o que verificamos? O marasmo! A falsidade! A mentira!
A culpa nunca é nossa, mas sim dos outros, já os romanos referiam-se a este País à beira-mar plantado: «não se governam nem se deixam governar!», e é uma grande verdade!
Mas o Povo, sim o Povo, aquele que vota, aquele que também de certa forma, é responsável por toda esta crise... continua a achar que a culpa é só dos políticos! Uns malandros!!! Ou seremos todos, uns malandros!?
Pois, mas somos nós que os colocamos lá! Votamos, de forma democrática! Às vezes, se calhar não tão democrática... mas, enfim!
Mas, somos responsáveis, se não está bem... não tenham receio! MUDEM quem se procura eternizar no poder...
O PSD, através dos seus militantes procurou fazer isso, através da ruptura e total alteração de rumo no seu líder. E, para isso, elegeu Pedro Passos Coelho.
No País e no Concelho, também estará na altura de haver MUDANÇAS. De se passar, a avaliar e a ter em conta, projectos que irão no sentido de melhorar a qualidade de vida dos cidadãos... e muito sinceramente, sou contra aqueles que defendem políticos, como o presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, pois apresenta trabalho, apesar de indiciado, acusado e condenado, por crimes contra o interesse público, vulgo corrupção.
Está nesta altura, em que nos encontramos, no fim de mais um ano civil, de avaliar, de fazer uma instrospecção e avaliar aquilo que queremos para o futuro, para nós e os nossos filhos... a continuidade ou a MUDANÇA!
Eu sou a favor da MUDANÇA, pois se não estou bem, devo procurar dentro das minhas possibilidades mudar.
MUDAR significa RESPONSABILIZAR, significa procurar PROJECTOS ALTERNATIVOS, políticos ou não políticos, que defendam de forma clara e não demagógica, os interesses comuns... e não só o de alguns, para não dizer sempre dos mesmos!
Eu acredito nos odivelenses e por isso procuro, de alguma forma, MUDAR aquilo que não concordo no Concelho de Odivelas!
Procuro pessoas, que se apresentem com ideias e projectos, no sentido de procurar melhorar a qualidade de vida dos odivelenses. E tenho encontrado!
Se calhar essas pessoas estão ao seu lado! Se calhar basta estar mais atento!
Somos muito fraaaquiiinhooosss...
Um Bom Ano de 2011!!!
José Carlos Correia

Ainda a vossa estratégia

Pode ler-se na "Gazeta das Caldas": "Animação e tradição trazem milhares às Caldas.
A crise obriga a poupanças, mas nem por isso tem faltado animação de Natal:aliámo-nos às escolas e por isso há sempre algo a acontecer no centro da cidade, disse João Frade, presidente da AACCRO, que partilha com a Câmara a programação de actividades de animação natalícia."

Também Penela, Óbidos e tantas outras cidades souberam trazer as pessoas ao comércio local, com animação de rua. Poderemos mesmo afirmar que poucas terão sido as excepções, que ignoraram esta oportunidade.
Quem sabe, sabe....

Pingo Doce importa açucar da Polónia


Negócios internos da jerónimo Martins prejudicam economia naciomal

A Crise do Açúcar colocou quase todas as distribuidoras (ou supermercados como queiram) a racionar o produto – O Pingo Doce importou da Polónia, país onde se encontra também estabelecido (embalagem fotografada para esta peça) e atribui 3 quilos por cliente, enquanto o Lidl estabeleceu 10 quilos por cliente e manteve-se a distribuir apenas açúcar refinado pela portuguesa RAR.

Opções curiosas: uma multinacional que emerge por quase meio planeta mantêm-se ao lado das empresas nacionais, enquanto Jerónimo Martins aproveita e importa açúcar, muito provavelmente da marca que vende nos seus supermercados da Polónia.

Continuam alguns dos nossos empresários a dar tiros nos pés da nossa débil economia em detrimento do lucro mais simplista. Porque razão haverai a Jerónimo Martins comparar açúcar refinado em Portugal (?) Certamente sairá mais vantajoso fazer a operação de exportação a partir da Polónia quiçá dando cumprimento a acordos que se fazem no segredo dos Deuses.

O País está mal, os políticos afundam-no, porque devem ser os empresários portugueses evocarem-se como salvadores da pátria (?) Precisamos de quem nos esfole até ao fim – os estrangeiros com benefícios especiais e acordos que não cumprem e muitos dos nossos a procurarem outros destinos e esvaziar os cofres da Nação, as contribuições sociais (...) Afinal de contas o seu dever social para com o País.

Continuamos na mesma como há 40, 50, 60 anos atrás – um Estado que não confia no cidadão e o cidadão que desconfia no Estado (…) uma espécie de jogo entre o gato e o rato que perdura há dezenas de anos e nem o salazarismo o curou.

A Crise do Açúcar começou vai para as três semanas. O comum do cidadão não percebeu muito bem este fenómeno. Ouviu-se apenas falar da escassez de matéria-prima e uma das refinadoras nacionais tinha mesmo parado a laboração.

Curiosidade ou não há precisamente três semanas os combustíveis aumentaram de preço por 3 vezes quase consecutivas, no domingo, segunda-feira e depois na quinta-feira da mesma semana.

Extraordinário é que o nosso “Zé pagode” já nem reclama, muitas vezes enganado pelos cartões que dão descontos entre os 4 e 6 cêntimos por litro, ou mesmo as promoções de fim-de-semana, por exemplo da Repsol ou os preços mais baixos praticados nas bombas dos supermercados InterMarchè que oscilam entre os 10 e os 12 cêntimos mais baratos.


Jerónimo Martins distribui dividendos hoje

Jerónimo Martins é mais uma das empresas que distribui dividendos ainda este ano. O pagamento antecipado das reservas livres da empresa é no valor de 105 milhões de euros e ocorrerá durante o dia de hoje (27 de Dezembro). Esta situação decorre do Governo, ter alterado no Orçamento do Estado para 2011, o regime fiscal sobre os dividendos recebidos pelas SGPS.
Para manter a isenção total de impostos a partir do próximo ano, as SGPS têm de ter uma participação superior a 10% na empresa que distribui o lucro e é também essencial provar que os rendimentos já foram sujeitos anteriormente a tributação efectiva por parte do emissor.

Considera-se que este facto levou a empresa a ser das mais penalizadas na queda bolsista que se registou na Bolsa de Valores de Lisboa no passado dia 22. Jerónimo Martins desvalorizou 1,69% par 11,915 euros considerando o destaque do dividendo de 0,168 euros

Num comunicado emitido no final do mês passado, a empresa tinha prenunciado a intenção de pagar este prémio até ao final do corrente ano - Jerónimo Martins justificou a escolha pelo facto do valor das reservas legais ser "muito superior ao mínimo legal e estatutariamente exigível".
Em 2010 as acções desta distribuidora e retalhista, valorizaram mais de 70%.

Naturalmente que os responsáveis da maior parte das empresas que optaram por distribuir dividendos respeitantes ao exercício do ano corrente ainda antes de 2011, fizeram-no para fugir claramente à tributação que decorre da aprovação do Orçamento de Estado e a coberto das mais variadas desculpas, mesmo algumas que não sendo de todo inverdades - como o facto de esse dinheiro ser gasto em pagamento de divida pública fruto de desvarios dos sucessivos governos e daí acabar por ser melhor aplicado ficando do lado dos accionistas, percebe-se que o País funciona como uma espécie de paraíso fiscal e tem muitos empresários nacionais que se estão verdadeiramente nas tintas para as questões nacionais e para os seus conterrâneos.

Soares dos Santos já não se serve do prato de sopa

que lhe deu de comer durante anos

Os últimos anos mostram que os ricos portugueses estão cada vez mais ricos e muitos deles mais ambiciosos a procurarem outras paragens para investir, de preferência onde é possível negociar “pacotes” de impostos para 3, 4 e 5 anos com condições relativamente vantajosas.

Soares dos Santos, presidente da Jerónimo Martins não escondeu isso a respeito dos investimentos realizados na Polónia, no programa da SIC Notícias “Plano Inclinado” que tem como residente o professor Medina Carreira.

O empresário disse que foi para a Polónia para expandir o grupo porque Portugal é pequeno demais é como que um “nicho de mercado” para a empresa. Obviamente que falamos num mercado de 38,5 milhões de pessoas e numa localização quase perfeita no contexto da Europa Central com pelo menos quatro fronteiras importantíssimas.

De qualquer forma Soares dos Santos esqueceu de referir que foi esse “nicho de mercado” e os bolsos dos portugueses que lhe permitiram internacionalizar a empresa. O líder da Jerónimo Martins também falou das “facilidades” dadas aos investidores na Holanda, também lá com projectos cujos impostos são negociáveis a três anos. Mas neste caso esqueceu um pequeno detalhe – é que nos Países Baixos não só os ditos pacotes de impostos não são assim tão atraentes como qualquer acordo é para cumprir à risca, caso contrário funciona a justiça e as contas bancárias são expostas aos cidadãos. É por isso que o reino da Holanda a juntar aos demais países nórdicos estão na linha da frente, entre os mais ricos e socialmente mais perfeitos do globo.

Soares dos Santos afirmou ainda que “falta estratégia ao País (…) que não sabemos para onde se pretende caminhar”. E deu como exemplo que apregoamos um País virado para o turismo, mas questionou como isso é possível se,” por exemplo, um turista sair da Quinta do Lago em direcção a Vila Moura é como que sair do paraíso e entrar no mato, num clarividente espaço com infra-estruturas desadequadas ao turismo, particularmente ao de qualidade tão publicitado e exigível neste mercado cada vez mais competitivo”.

Ora aí está, Soares dos Santos perdeu uma excelente oportunidade para se mostrar disposto a debater uma estratégia de futuro para o País:

§ Por exemplo, porque não investe uma grande distribuidora do mercado a retalho em duas ou três áreas do sector produtivo do que comercializa em fim de linha (?)

§ Porque não promove a Jerónimo Martins uma estratégia localizada no sector agrícola ou pecuário, mesmo chamando a si a cadeia universal – produção, transformação, comercialização e mesmo a sua exportação, pelo menos para os países onde mantêm investimentos (?).

Compreendo as dores de cabeça que essas tarefas promovem. É muito mais fácil ser importador oficial de algumas marcas de distinção como a dos cereais norte-americanos Kellogg’s que se tornaram famosos pelos seus corn flakes do que arriscar na nossa terra.

Naturalmente que temos sido mal governados. Por via de empresas públicas, público-privadas, participadas e empresas municipais regista-se um despesismo desequilibrado, diria mesmo brutal e acima das nossas possibilidades (…) mas isso não nos pode afastar das nossas responsabilidades sociais, antes obriga-nos à intervenção clarividente, à decência de evitarmos arrastar centenas de milhares para a miséria ao regresso da vergonha de vermos comer – à moderna - as velhinhas sopas de cavalo cansado!

Soares dos Santos devia ter vergonha: Era ali no ecrã da SIC que devia ter manifestado uma ou duas soluções imediatas para manter o País a flutuar, mesmo que isso fosse de todo inconveniente para algum político.

Oxalá não o veja a apoiar algum candidato às Presidenciais e se o fizer que tenha a decência de se explicar.

Resta-me humildemente recomendar ao Presidente da Jerónimo Martins dois detalhes:

§ Que a finlandesa Lapónia a 27 graus negativos – a 2000 quilómetros do circulo polar Árctico - promove turismo de eleição em torno do Pai Natal, de uma cem número de actividades lúdicas, de um zoo de gelo e neve com mais de uma centena de espécies, de restaurantes de gelo…

§ Que os seus funcionários nos supermercados trabalham que se fartam, horas a fio e com salários relativamente baixos e em alguns casos que não deu para colocar o prato sobre a mesa de Natal.

José Maria Pignatelli


26.12.10

No Senhor Roubado há feira todos os dias

Economia paralela é transversal

No Senhor Roubado, em torno dos acessos à estação do Metropolitano de Lisboa e nos terrenos pertencentes à empresa transportadora acontece todas as manhãs da semana uma verdadeira feira, claramente concorrente à Feira do Silvado das segundas-feiras.

O facto parece estar referenciada pela própria Junta de Freguesia que nunca terá autorizado ou licenciado a ocupação da via pública para aquele efeito, independentemente de o terreno pertencer à empresa Metropolitano de Lisboa.

Pelo que nos é dado a perceber é que estes feirantes claramente libertos de qualquer pagamento de impostos ou pelo menos de licenciamento. parecem ter a conivência dos funcionários que prestam serviços de segurança do próprio metropolitano.

A ser verdade estamos perante mais um escândalo em que os prevaricadores se encontram incólumes e que concretiza um negócio claramente de economia paralela.

Há mesmo quem tenha afirmado que existem feirantes com lugar marcado naquele acesso à estação de metropolitano.

José Maria Pignatelli

Cromos da Bola - Rummenigge

Especial Cromos da Bola


Neno canta no Hospital em dia de Natal


A propósito da rubrica “Cromos da Bola” venho recordar o guarda-redes internacional Neno que ainda hoje, aos 48 anos, não é esquecido em Santarém:


No dia do seu aniversário, um grupo de fãs, muitos deles nunca o viram jogar, fazem um NeNatal. Repete-se todos os anos no dia 27 de Julho.


Mais do que isso Neno merece o nosso aplauso e respeito porque é voluntário por boas causas fora do trabalho – canta por solidariedade.


Este Natal passou-o no hospital a cantar de quarto em quarto, de enfermaria em enfermaria, lembrando-nos a todos dos que precisam de companheirismo e encontram-se esquecidos por uma sociedade cada vez mais egoísta.


O antigo internacional português - actualmente treinador de guarda-redes no Vitória de Guimarães - é uma pessoa afável, sempre bem-disposta e com sorriso fácil, aliás a sua imagem de marca mesmo em momentos difíceis quando foi substituído no Benfica por Michele Preud´Homme (que acabaria por o levar para Guimarães) ou acabou surpreendentemente por não ser convocado para a fase final do “Euro 96”.


De qualquer forma, Adelino Augusto Graça Barbosa Barros – “Neno” – foi um dos guarda-redes mais marcantes do futebol português, chegando mesmo a ganhar o prémio Nova Rede, então o mais prestigiado galardão atribuído pelo jornal A Bola, precisamente na sua última época 1996/97, com 34 anos e com um adversário como Preud´Homme.


Neno divide a sua actividade profissional com a de cançonetista e não esconde as influências do seu ídolo Júlio Iglésias de quem guarda um par de sapatos que o espanhol lhe ofereceu e que terá mandado fazer umas centenas de réplicas para oferecer mais tarde a amigos.


O antigo guarda-redes que além do Benfica e do Vitória de Guimarães jogou antes no Barreirense e Vitória de Setúbal, teve um dos seus maiores momentos de glória no estádio italiano Enio Tardini diante do Parma (onde foi o melhor em campo), equipa que o Guimarães eliminou da Taça UEFA.


O seu pior momento aconteceu a 10 de Abril de 1993 no Estádio do Bessa ao serviço do Benfica quando foi da sua única expulsão e então não houve outra alternativa a não ser substituído pelo médio Paulo Sousa então ainda muito jovem e que acabou por brilhar na baliza encarnada.


Mas Neno está de parabéns pelo espírito de missão e forma de encarar o quotidiano ajudando terceiros a ultrapassar a quadra especial que se atravessa.



José Maria Pignatelli

23.12.10

Boas Festas

“Vale a pena pensar nisto a sério: o mundo não muda se eu não mudar. Se cada um de nós não melhorar, o mundo também não melhora. E nós podemos fazer a diferença, se quisermos. É fácil ver as injustiças no mundo e gritar contra elas, mas tudo passa pela minha e pela tua vontade de lutar por um mundo mais justo e mais fraterno”.


Padre Vasco Pinto Magalhães
In:Não Há Caminhos, Há Soluções

video

Pensamento do Dia.


Efectivamente, se há algo que prezo, são os amigos e as amizades. Ontem, ao almoçar com dois deles, algo que não fazia há muito, cheguei à conclusão que se houve algo que descurei ao longo deste ano foi precisamente esses momentos.

Espero que tenha servido para algo, mas se há coisa que terei que rectificar em 2011, terá que ser essa.

Praticamente falida.


Por vezes parece que os temas importantes passam ao lado de bate, hoje há mais alguém que escreve isso mesmo, desta vez a propósito da situação financeira da Câmara Municipal de Odivelas.


É Natla! (3) - Britney Spears My Only Wish (This Year) - Christmas Song. + lyrics



22.12.10

Boas Festas com os nossos artistas




Quero deixar aqui os votos de BOAS FESTAS, com ilustração dos nossos artistas.


Escolhi uma pintura de Josefa de Óbidos, um Menino Jesus, vestido de Rei do Mundo.


Para todos vós, pessoas de bem, ofereço aquilo de que eu gosto tanto: o que é nosso!

e mais uma mensagem,

esta do Tu-Barão.

Cromos da Bola - Schuster



Uma mensagem que por lapso ontem não transmiti.


Entre algumas pessoas que gostavam de ter estado presentes e que, por uma razão ou por outra, não puderam fazê-lo, dando-me disso conhecimento, por mensagem escrita, por telefone ou pessoalmente, houve uma que destaco, porque apesar de andar sempre ocupado, teve a ambilidade de o fazer e de solicitar que eu a transmitisse.
No meio do jantar e de toda aquela animção esqueci-me de o transmitir, deixo aqui a mensagem tal como a recebi:

Miguel,
Não posso ir, porque parto às 7 e meia da tarde. Mas boa iniciativa, bom blogue e bom jantar!

Abraço
Paulo Portas

A propósito de uma questão levantada ontem.

Hoje podemos dizer que este blogue é um espaço de opinião, onde se encontram pessoas com pensamentos e sensibilidades políticas diferenciadas, mas que creio, têm em comum uma enorme vontade de contribuir, com seriedade e honestidade, para a melhoria da qualidade de vida em Odivelas e para a valorização do Concelho.


Esperança

Quando se juntam à mesma mesa diversas pessoas com ideias e ideais bem distintos. Quando essas mesmas pessoas debatem de forma construtiva o presente, a pensar no futuro.
Quando a mesquinhez e a pequenez que habita nos labirintos lodosos da actual política não entra.
Então, ainda há esperança nos seres humanos e no que de bom eles podem fazer uns pelos outros e por este Mundo onde todos (con)vivemos.
É uma honra para mim, que ainda tenho um tão longo caminho a percorrer e tanto a aprender, estar no meio de PESSOAS tão importantes... importantes porque são diferentes... importantes porque querem fazer a diferença nas suas vidas e nas dos outros.

Teresa Salvado

Hoje é dia de Informalidades.

Desta vez será na Ramada, mas infelizmente, por motivos profissionais não poderei estar presente. Contudo, recomendo a sua presença, pois haverão vários temas interessantes e os presentes não deixarão certamente "os seus créditos por mãos alheias".